santaritavicosa.com

 

O batismo de Jesus no Rio Jordão se deu num momento religioso
marcante. Com efeito, a pregação de São João Batista havia produzido
numerosas conversões. Inúmeros os que haviam decidido mudar de vida,
abominando seus erros. Procuravam o batismo no rio Jordão em cujas
águas viam o sinal desta renovação interior. Embora, Cordeiro
Imaculado, sem a mínima mancha de pecado, Jesus valorizou o que então
aí se dava e foi também ser batizado pelo seu Precursor (Mc 1,7-11).
Com este ato de humildade deu início a sua vida pública, unindo-se
àqueles que Ele viera salvar. Momento significativo, solene, no qual a
divindade do Redentor foi proclamada pelo Pai: “Tu és o meu Filho
amado no qual eu me comprazo”. O mistério de Jesus, verdadeiro homem e
verdadeiro Deus, começava a se revelar. Ele o mestre divino a mostrar
o valor da renovação interior, numa união com os irmãos e irmãs
pecadores, sob a complacência do Pai que está nos céus. Jesus a
mostrar a seus seguidores o caminho de uma fé profunda e de uma
humildade absoluta, condições para se obter a plena salvação que Ele,
o Filho de Deus, viera trazer do céu à terra. Portanto,
importantíssima esta passagem do Evangelho de São Marcos, registrando
o Batismo de Jesus. Esta cena recorda a todos os cristãos o dia de seu
batizado quando foi remido do pecado original, vindo nele habitar a
Trindade três vezes santa. Deus presente, fonte viva na qual se imerge
mais ainda este eleito do Todo- poderoso Senhor. Assim sendo, o
batismo de Jesus foi um mistério de amor, lembrando o grande afeto de
Deus para com o homem pecador. Jesus, misturando-se a uma multidão de
prevaricadores, foi uma demonstração extraordinária da condescendência
divina, como que um escândalo proporcionado pela benevolência de um
Deus cheio de ternura para com os seres racionais, abaixando-se até
sua pequenez. Assim o gesto de Jesus ao se fazer batizar pelo Batista
lá no Jordão continha em si o sentido da vida, da missão, da pregação
futura do Redentor até sua crucifixão no alto de uma Cruz. Através dos
Evangelhos contemplamos Jesus sempre entre os marginalizados,
levando-lhes a dileção do Pai celeste, a ponto de se fazer qualificar
de “glutão e beberão” amigo dos publicanos e dos pecadores” (Mt
11,19). Aliás, este mesmo Jesus, batizado no Jordão entre pecadores,
lá no Calvário estaria crucificado entre dois malfeitores. No Jordão,
se ouviu a voz do Pai e, ao morrer Jesus mais tarde no Gólgota o véu
do templo se rasgaria de alto a baixo, sendo estes dois fatos bem
significativos, ou seja, aquele que morreria na Cruz era o mesmo que
no seu batismo fora proclamado o bem-amado do Pai. Assim sendo, o
batismo de Jesus deve nos encher de plena confiança na misericórdia
deste Deus compassivo que esteve entre os pecadores nas águas
purificadoras do Jordão. Confiança bem inspirada também pelo que se lê
no profeta Isaias onde Deus afirma que aqueles que nada têm venham a
ele e viverão. Todas estas reflexões deixam bem claro o motivo pelo
qual Jesus quis ser batizado. Um sentido profundo da nova criação do
mundo e do homem. Uma nova gênese, um renascimento. Os céus fechados
pelo pecado se abrem e se escuta a voz do Pai. Ali se acham o novo
Adão e o universo renovado, santificado, que emerge com Cristo das
águas do Jordão. O homem que seria regenerado pelas águas do
sacramento do batismo se tornaria filho de Deus, pois Jesus era o
Filho bem-amado do Pai. Belíssimas mensagens que fluem da
comemoração do batismo de Jesus. Elas nos levam a valorizar ao máximo
as fontes vivas de nosso próprio batismo para aí encontrar as forças
novas de uma vigorosa espiritualidade. Degustemos então as palavras de
São Clemente de Alexandria: “Toda nossa vida é uma primavera porque
nós temos em nós a Verdade que não envelhece e esta Verdade irriga
toda a nossa existência. Não nos esqueçamos finalmente que as águas
do Jordão nas quais deparamos a proclamação da divindade do Redentor
nos lembram que lá no Calvário do lado aberto do Salvador jorraram
sangue e água, que continuam a jorrar cada dia na Igreja, porque foram
a figura da água do batismo de todos os cristãos. Como outrora no
Jordão a voz do Pai continua a testemunhar através dos tempos que este
Jesus é seu Filho bem-amado. Professor no Seminário de Mariana
durante 40 anos.