santaritavicosa.com

Claríssima a ordem de Jesus: “Sede perfeitos como é perfeito o vosso
Pai celeste (Mt 5,38-48), Bem outro é, geralmente, o comportamento da
sociedade humana. Cristo nos deixa patente que a justiça do coração de
seu seguidor não deve ser retidão meramente mundana. É certo que as
leis civis são necessárias e os tribunais sociais têm razão de ser. O
Filho de Deus não os nega, mas Ele quer que seus discípulos tenham
vistas mais largas, ultrapassando os preceitos terrenos. É que o homem
não foi feito para viver eternamente na terra, aqui ele está de
passagem, pois sua destinação final é a vida eterna com Deus e esta
vida eterna é preparada agora neste mundo. Eis porque é necessário não
se deixar prender às coisas da terra, mas delas se servir como meios
para caminhar rumo à casa do Pai. O comportamento do cristão tem então
um sentido todo especial cuja orientação o Mestre divino deixou bem
explícita, mostrando qual deve ser a verdadeira relação do ser humano
com Deus e com os outros. Trata-se de estar voltado verdadeiramente
para Deus e perceber de que maneira nós O escutamos e amamos, buscando
a perfeição divina. A Lei do talião era naquela época uma medida de
progresso, dado que ela limitava o direito à vingança, levando a uma
proporção equilibrada de maneiras de ser e de agir. Cristo, porém,
além disto, afirma a necessidade de um perdão total, vencendo o desejo
de represália com um amor profundo. Ele mesmo na cruz intercederia
pelos seus algozes: “Pai, perdoai-lhes porque não sabem o que fazem
(Lc 23,34). Ao mandamento antigo deveria se sobrepor o preceito do
amor. Ele ensinou: “A quem te bater na face direita, oferece-lhe
também a outra”. Muitos pensam que se trata simplesmente do abandono
de direitos legítimos. Não é bem assim, pois Jesus, pedagogicamente,
quis é mostrar a reconstrução da fraternidade ao expor
voluntariamente seu seguidor a uma forma de vulnerabilidade,
desejando que o outro reconheça sua perversidade com tal ação de
violência, opondo à maldade um gesto de abandono confiante e a
confiança conduz ao amor, ao reconhecimento do gesto incoerente e
impetuoso, porque oferecer também a outra face significa, deste modo,
denunciar e interpelar o agressor, com um gesto ou uma ação pacífica,
mas firme, como que dizendo: “ Tu me bateste na face direita, não
queres também me bater na outra? O que tu fazes te parece correto?” O
verdadeiro cristão não apela nunca para a vingança mas fica firme,
fundamentado, e está sempre aberto ao perdão cordial. Perdoar não é
fácil, mas deve ser sempre a atitude do cristão. São Basílio aconselha
a se ter em todas as circunstâncias a calma. Quem não é discípulo de
Jesus lança mão da injúria, o cristão, contudo, paga sempre o mal com
o bem. À atitude de violência se opõe a doçura; ao rancor a brandura;
à maldade a virtude. Um age como filho das trevas, o outro como
verdadeiro filho de Deus. Jesus quis nos ensinar o essencial da vida
cristã, nos incitando a ir além dos preceitos da lei mosaica. O código
da Aliança do Antigo Testamento prescrevia o equilíbrio nas relações
humanas estabelecendo o princípio da reciprocidade dos atos (Ex
21,23-28) Jesus, porém, quis conduzir seus seguidores a uma sabedoria
bem superior que é aquela de ser humanista e respeitoso com todos sem
distinção, sem julgamento e sem espírito de retaliação. O princípio do
“olho por olho, dente por dente” difunde o espírito da ira, da
animosidade. Jesus, entretanto, pregou a fraternidade, a dileção que
leva à liberdade espiritual que permite impedir o ciclo infernal do
mal. Cristo desejou que se tivesse bem clara a distinção entre o erro
e a virtude. Quem se reconhece como filho de Deus deve considerar os
outros como irmãos, mesmo porque Deus ama todas as criaturas sem
distinção. A ira, a cólera, o rancor devem ser transfigurados no
verdadeiro sentido da filiação divina, numa atitude que é o apogeu da
sabedoria, fruto da contemplação do esplendor do Pai que precisa
impregnar inteiramente o coração do cristão. Este abandona a lei de
talião para incrementar o mandamento do amor, reconhecendo sempre que
é filho do Pai celeste e, assim, ama a todos como irmãos que gozam da
mesma filiação divina A virtude da caridade fazia com que os pagãos
dissessem a respeito dos cristãos: “Vede como eles se amam! A
caridade é a marca definitiva do seguidor de Cristo É preciso pedir
sempre a Jesus que nos ajude a praticar em plenitude a caridade
delicada e eficaz, fazendo desta virtude, verdadeiramente, o sinal
distintivo de nossos cristianismo. Professor no Seminário de Mariana
durante 40 anos.