santaritavicosa.com

Uma atividade admirável de Jesus no serviço dos doentes e possuídos do
demônio, depois uma longa e ardente prece individual, Eis aí o ritmo
do Filho de Deus. É assim que Ele vive intensamente sua união com o
Pai que o enviou e sua solidariedade com os homens que Ele veio
salvar, Autenticamente homem quando está só diante de Deus, realmente
Filho de Deus quando se mistura na multidão dos homens. Em tudo
semelhante a seus irmãos e, ao mesmo tempo, acreditado junto de Deus”
(Hb2,1). É o mesmo Jesus de Nazaré que se retira muito cedo bem e pela
manhã num lugar deserto ao despertar da aurora, para acolher voltado
para Deus, a luz de um novo dia, e que amplia cada dia o campo de sua
missão e de seu testemunho: “Vamos a outros lugares para que lá também
se dê o anúncio da mensagem!”. É porque se entrega totalmente ao Pai
na sua prece silenciosa que Jesus se deixa levar por todos aqueles e
aquelas que O procuram. É porque Ele vive no Pai que Ele pode sem
interrupção ir a outros lugares cada dia. Na medida em que cresce
nossa união com Cristo vivo é que Ele remodela nossa vida e nosso
coração. segundo esta dupla comunhão que Ele possui, a expressão
espontânea de seu ser de mediador com o Pai e a comunhão com os
irmãos. Cada dia Ele nos mostra o Pai e nos manifesta seu Nome e
seguindo-O entramos numa verdadeira prece filial, mãos abertas e o
coração livre. Cada dia também ele nos desperta para o bem universal,
segundo seu próprio cuidado da salvação dos homens. Na paz de Deus,
no rumor do mundo nossa solidão como aquela de Cristo é solidão
sonora, tudo em eco do silêncio de Deus, tudo isto em ressonância do
mundo a salvar, É o mesmo Espírito que nos faz, a todo instante, que
nos lancemos em prece e que reanima a chama dos carismas de nossa
crisma, nos dando crescer como filhos e filhas da Igreja. Ligeiro,
secreto, discreto é o apelo do Espírito. que nos identifica com Cristo
orante e missionário. É a voz de um silencio mantido como aquele que
percebeu Elias no Horeb, antes que Deus o enviasse à história dos
homens, história da salvação, no trabalho da redenção, “Vamos a outros
lugares” diz Jesus. É isto que cada um ouve cada dia no fundo de sua
fé em Cristo. Vamos a outros lugares não sozinhos, pelo caminho do
sonho, porque outros lugares são frequentemente uma tentação, mas
outros lugares com Jesus, por toda parte onde Jesus vai para salvar
numa missão universal que tem lugar por uma vida toda entregue ao
Amor, nada apenas só para hoje. A cena começa na casa de sogra de
Simão que está prisioneira por uma febre, A cena se estende a toda a
cidade, ao deserto, às aldeias vizinhas e, finalmente a toda a
Galileia. Jesus é aquele que sai, sai da sinagoga de Cafarnaum, depois
sai da cidade para ir ao deserto, faz sair a febre da sogra de Simão,
faz sair os doentes de suas casas e os espíritos maus desta humanidade
da qual Ele revestiu a carne. Jesus que saiu de Deus nos convida a nos
levantar e sair para irmos a outros lugares, a sairmos de nossas
pequenas enfermidades, da doença de nossas ideias preconcebidas, de
nosso pequeno mundo tão fechado. É por listo que Ele saiu para ir aos
povoados vizinhos, para outras pessoas, para aqueles que estão longe,
que se fecham, que estão na periferia de nossas cidades, de nossa
sociedade, de nossa comunidade Tratasse da expansão espiritual, vamos
com Ele, saímos de nossos círculos estreitos, levantemo-nos e partamos
daqui para testemunhar ao mundo a imensa ternura de nosso Deus e sua
compaixão por todos. Deus é maior do que nossas misérias, do que
nossas fraquezas Com Ele tudo se pode. Jesus afirmará que sem Ele nada
podemos fazer, o que significa que com Ele tudo é possível. A doença,
o sofrimento e a alienação são males que entravam nossa humanidade,
como acontecia com a sogra de Simão. Jesus nos convida a vencermos os
males corporais e a entrar na alegria do bem que Ele nos pode fazer. A
partir dos sinais que Ele nos oferece com sua presença, com sua
sabedoria, com a onipotência de sua salvação Ele nos quer como
mensageiros de sua redenção. Ele quer nos cobrir com seus dons para
recebermos suas graças salvíficas, sendo por toda parte testemunhas
das Boa Nova que Ele veio trazer a este mundo. Portanto, repleto de
ensinamentos esta passagem de São Marcos, inoculando-nos tão preciosas
mensagens que cumpre sejam vividas intensamente na nossa vida diária.
Estendendo, assim, por toda parte os benefícios de Deus. Apalavra
divina pregada onde estamos, mas também por toda parte tanto quanto
nos é possível. Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos.